jusbrasil.com.br
20 de Outubro de 2017

Juiz pode determinar o bloqueio de contas e cartões de crédito para garantir pagamento de dívida?

Medida visa garantir "um efeito prático e positivo na execução".

Mackysuel Mendes, Advogado
Publicado por Mackysuel Mendes
há 7 meses

Juiz pode determinar o bloqueio de contas e cartes de crdito para garantir pagamento de dvida

A fim de garantir "um efeito prático e positivo na execução", a juíza de Direito Marcia Rezende Barbosa de Oliveira, da 3ª vara Cível de Taubaté, determinou o bloqueio de quaisquer créditos em quaisquer contas de titularidade de executados, bem como dos cartões de crédito.

De acordo com os autos, houve um arresto de direitos contratuais do devedor, em relação a um arrendamento mercantil, sendo posteriormente bloqueado o veículo arrendado ante a informação da instituição financeira de que o contrato havia sido liquidado/quitado.

Foi deprecada a penhora do automóvel, que restou infrutífera por não ter sido localizado o executado.

Sobrevieram novas tentativas de localização de patrimônio, sem êxito, inclusive a constatação de que não há declarações prestadas pelos executados à Receita Federal.

Em análise do caso, a magistrada considerou ser "inegável que a satisfação do crédito da parte exequente vem sendo sobremaneira dificultada pela conduta totalmente omissiva dos executados".

A parte exequente também pedia o bloqueio do passaporte e da CNH dos executados. Mas a magistrada ponderou que "não há indicativos de que os devedores, vêm se ausentando do país, custeando viagens e lazer (principalmente) em detrimento da obrigação aqui pendente. Também não se identifica qual seria a utilidade de um possível bloqueio de CNH".

"A conveniência, pois, está em se deferir alguma medida que resulte, de fato, em um efeito prático e positivo na execução, em favor da parte exequente."

Processo: 000400230.2013.8.26.0625

Veja a decisão.


Fonte: Migalhas

2 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Como colaboraçaõ com o tema em análise, peço venia para destacar que, como já apontei em artigo sobre o tema aqui no Jusbrasil, o artigo 139, inciso IV novo CPC nao é panaceia para todos os males da civilização ocidental. Todas as medidas lá apontadas (coercitivas, sub-rogatórias, mandamentais) devem ser pautadas por um crivo de razoabilidade - não medidas de uso indiscriminado. Deve haver indicativos concretos que justifiquem tais medidas - realmente apreensão de CNH é altamente deletéria para quem trabalha e precisa se conduzir de carro para prestar serviço - ainda que o carro não seja seu. Isso é deletério para um taxista ou motorista do Uber. Mas não o seria para pessoa, por exemplo, que não trabalha e que utiliza masserati como meio de transporte para ir ao Jockey Club, não havendo qualquer razão lógica para que a pessoa em nome de quem a masserati figure no Detran permita que o carro fique em nome do devedor. Isso deve ser aferível pelos magistrados na apuração e determinação dessas medidas. continuar lendo

peço venia ao caro Julio Cesar pois acho que a intenção era tentar proibir de usar o veículo que esta sendo penhorado e não encontrado, numa tentativa um pouco inútil pois com a cnh tem validade o mesmo só não conseguiria renova a mesma na data de seu vencimento. enquanto isso continuaria a fugir das blitz e do fiscal judicial que tenta penhora o bem e não encontra. continuar lendo